Branqueamento Dentário: procedimentos e mitos

Luísa Rodrigues 

Um sorriso branco, brilhantes e harmonioso é algo cada vez mais desejado, sendo a estética atualmente muito valorizada pela nossa sociedade. Muitas pessoas recorrem ao branqueamento dentário para reverter as consequências dos hábitos alimentares, tabaco e práticas de higiene oral. É importante clarificar alguns pontos-chaves deste tipo de tratamento, bem como mitos a ele associados. 

O branqueamento dentário é um tratamento dentário estético, não invasivo, que tem como objetivo branquear os dentes de forma a melhorar a aparência do seu sorriso. Este é um procedimento simples e seguro, desde que seja feito como controle de um Médico Dentista, que realizará um diagnóstico e irá selecionar a técnica mais apropriada para cada caso. Em princípio, qualquer pessoa com uma boa saúde oral pode fazer um branqueamento; no entanto, doentes com cáries, desgastes dentários, sensibilidade dentária e outros podem necessitar de tratamentos prévios. 

As técnicas de branqueamento dentário evoluíram muito e novos produtos trouxeram maior conforto e ótimos resultados. Neste momento, temos disponíveis duas técnicas de branqueamento: em ambulatório e em consultório. Tendo em conta as suas expectativas e necessidades, será selecionada a modalidade mais adequada, sendo que em certos casos poderá proceder-se a um branqueamento combinado, onde são utilizadas ambas as técnicas (ambulatório e consultório). 

O branqueamento em ambulatório vai ter uma duração cerca de 2 semanas, é feito em casa, com a supervisão do Médico Dentista, através de consultas periódicas. Será entregue um kit composto por duas goteiras de silicone (feitas à sua medida) e seringas com gel branqueador. No final do tratamento, avalia-se os resultados obtidos. A vantagem deste tratamento é poder ser repetido periodicamente a partir de 6 meses, sendo apenas necessário adquirir novas seringas de gel branqueador, caso as goteiras sejam bem conservadas e estiverem em bom estado. 

O branqueamento em consultório é feito em ambiente clínico e terá a duração de 1 hora. Serão necessárias entre uma e duas sessões. Neste procedimento aplica-se o gel diretamente no dente e faz-se a proteção dos tecidos moles da cavidade oral, com o auxílio de uma barreira gengival e afastadores de tecidos moles, tendo em vista o conforto da pessoa e o sucesso do tratamento. Tem a vantagem de apresentar resultados mais rápidos e ser mais adequado a quem não se adapte às goteiras. 

É importante salientar que o branqueamento não vai alterar a cor de restaurações ou próteses dentárias, podendo haver a necessidade de as reparar ou substituir no final do tratamento, de forma a harmoniza o sorriso e se conseguir o melhor resultado estético possível. No que diz respeito a efeitos secundários, pode ocorrer alguma sensibilidade, que é controlável e eliminada no fim do procedimento. 

O mito que o branqueamento é nocivo para os dentes é bastante comum. Os problemas sucedem quando se recorre a receitas caseiras ou a produtos branqueadores de venda livre (existentes atualmente no mercado), que na sua maioria são demasiados abrasivos, danificando a superfície do dente e muitas vezes criando efeitos irreversíveis. É importante reforçar que o branqueamento é um tratamento sem riscos, que terá em consideração as condições específicas de cada pessoa, sabendo como escolher a concentração e composição do gel branqueador e também forma como é aplicado. 

Não hesite em melhorar o seu sorriso. Procure uma equipe especializada e competente, de sua confiança para te auxiliar. Agende uma consulta e tire suas dúvidas com o seu dentista. 

——————– 

FONTE: RODRIGUES, Luísa. Branqueamento Dentário: procedimentos e mitos. In. Jornal de Notícias.  Porto (Portugal): Global Notícias, 16/07/2020, ano 133, n. 45. (Caderno Comercial / Edição Norte / Trofa Saúde)   

Obrigado pelo seu comentário!