Campanha Agosto Branco faz alerta sobre câncer de pulmão

Segundo especialistas, doença costuma se manifestar quando o paciente já está em estado grave

Estimativa do Inca é que até o fim de 2020 surjam 30 mil novos casos no país.

Neste mês acontece em todo o país a campanha Agosto Branco, que tem como objetivo a prevenção e a conscientização sobre o câncer de pulmão. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Brasil, apesar de a doença ser o terceiro tumor com maior incidência na população masculina, ela é a primeira em mortalidade. Na mulher brasileira, esse tipo de câncer é o quarto em incidência e o segundo em mortalidade. A estimativa da instituição é que, até o fim de 2020, surjam mais de 30 mil novos diagnósticos da doença no país.

A expressão “câncer de pulmão”, ou “carcinoma broncogênico”, refere-se a tumores malignos originários dos brônquios ou do tecido pulmonar.

A principal causa desse tipo de câncer é o tabagismo, responsável por cerca de 90% dos tumores. Porém, pessoas que nunca fumaram também podem ter a doença por outros motivos, como radiação prévia do tecido pulmonar para tratamento de linfomas, por exemplo, fibrose pulmonar, infecção por HIV, fatores genéticos ou por ser fumante passivo.

Em muitos casos, não há sintomas, porém, dentre os principais sinais que precisam de atenção, estão: tosse, perda de peso, dor no peito, presença de sangue no catarro e falta de ar.

De acordo com o oncologista Roberto Porto Fonseca, um dos diretores da Oncomed, a maioria dos pacientes diagnosticados já está em estado avançado da doença. “Isso é reflexo da biologia agressiva desse tipo de câncer. Além disso, de modo geral, quando ele aparecer, o paciente já se encontra em um estágio mais adiantado”, afirma o médico.

Ainda segundo Fonseca, o melhor e mais eficaz método de combater a doença é por meio da prevenção primária, evitando o tabagismo. “Para os fumantes, a interrupção do hábito de fumar leva a uma redução progressiva da incidência da doença. Vale ressaltar que nunca é tarde para parar de fumar. Além disso, é importante manter uma alimentação saudável, evitar a obesidade e não consumir bebidas alcoólicas. Essas são as melhores armas contra a doença”, ressaltou o oncologista.

FORMAS DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

O diagnóstico do câncer de pulmão é realizado após avaliação clínica do médico e de exames complementares de imagem e o chamado “histopatológico”, que permitem a confirmação do diagnóstico. O médico pode solicitá-los depois de uma avaliação clínica dos sintomas e do histórico do paciente. Depois de confirmar a presença do câncer no pulmão, é feito o estadiamento para estabelecer em que estágio evolutivo a doença se encontra. Para isso, podem ser feitos outros exames. A partir daí, o médico vai determinar a estratégia mais adequada para o tratamento, que pode envolver remoção cirúrgica, quimioterapia, radioterapia ou a combinação desses procedimentos. Tudo isso vai depender do estágio e das condições físicas do paciente. No entanto, pelo fato de o câncer de pulmão permanecer assintomático por um bom tempo, ele, muitas vezes não é diagnosticado em fases iniciais. Por isso, existem estratégias de rastreamento da doença para indivíduos assintomáticos pertencentes a grupos de risco, como fumantes. A utilização, por exemplo, da tomografia computadorizada, com baixa dose de radiação, em pacientes com alto risco de câncer do pulmão, pode ser eficaz no diagnóstico do câncer em fase mais precoce, aumentando as chances de cura. Já o tratamento do paciente depende da extensão da doença no organismo, da histologia e do estudo genérico.

——————–

FONTE: O TEMPO. Campanha Agosto Branco faz alerta sobre o câncer de pulmão. In. Jornal O Tempo. Belo Horizonte: Sempre Editora, 14/08/2020, ano 24, n. 8644, pág. 12. (Conteúdo Especial / Alerta)

Obrigado pelo seu comentário!